segunda-feira, 25 de abril de 2011

Matéria produzida pelo jornal Folha da Terra.



Artista de desenhos híper realistas quer viver do ofício

23 de abril de 2011

Com lápis de grafite nas mãos, Maicon Sullivan, 21 anos, faz jus ao seu nome de artista

Com lápis de grafite nas mãos, Maicon Sullivan, 21 anos, faz jus ao seu nome de artista. Ele faz reproduções perfeitas de fotografias, com riqueza de detalhes que levam as pessoas a duvidarem do que estão vendo. Ele, que já desenhava há oito anos, resolveu aprender uma nova técnica pela internet no final de 2010.

Natural de Afonso Cláudio, Maicon mora em Venda Nova há sete anos e é na cidade onde seu trabalho é conhecido. A técnica é a do híper realismo, também conhecida como realismo fotográfico ou fotorealismo. Ele se inspira em fotos de boa qualidade e reproduz os detalhes com exatidão. “Numa exposição no Paiol do Nonno, algumas pessoas disseram não acreditar que são desenhos, acham que são xérox”.

Pelo menos três horas são necessárias para fazer só o esboço. A segunda fase é o sombreamento. A técnica é apenas o instrumento, pois o segredo do trabalho dele é a paciência. “Levo em média de 25 a 30 horas por desenho”, disse o autor de trabalhos que levaram até 50 horas. Além de lápis grafite H, HB, 2B e 4B e papel Canson, ele lança mão do esfuminho, um pequeno bastão de papel prensado. Todos materiais são importados.

Mesmo antes de concretizar sua imagem artística, ele já ganhou algum troco, como na época que começou a desenhar na escola. “Fazia muito mangá, desenhos em quadrinhos no estilo japonês, e os colegas gostavam e pediam. Aproveitava e vendia alguns.”


Sullivan está participando do projeto Cultura Jovem, da Secretaria de Estado da Cultura, que prevê bolsas de incentivos para jovens artistas. Ele almeja poder se dedicar. “Trabalho a semana toda e só tenho tempo para desenhar à noite e nos finais de semana”. 


Um dos sonhos do rapaz é montar um estúdio. “Se tudo correr como espero, acredito que no início do ano que vem eu consigo”. Outro sonho é morar em São Paulo ou até no exterior, pois ele acredita que em grandes centros as condições são melhores para este tipo de arte.

Modesto, o rapaz ainda diz que tem muito a aprender. Ele pretende fazer mais cursos e desenvolver outras técnicas como a do desenho com carvão. “Comparado ao profissional que desenvolveu o curso que eu fiz, estou ainda na metade do caminho”, avaliou.

“Para um bom trabalho é necessário uma foto próxima e de boa qualidade. Quanto mais detalhes nos olhos, boca e cabelo, melhor será o resultado”, deu a dica para quem quer ver sua foto reproduzida na técnica. Os interessados em ter o serviço é só procurar Maicon, pois o preço é de acordo com os detalhes e as dimensões.

Maicon também se disponibiliza para ensinar a técnica. Quem quiser aprender o que ele já sabe é só entrar em contato através de seu blog. “Qualquer pessoa que saiba escrever pode aprender desenhar. Basta ter interesse e paciência”, finalizou. 

http://www.folhadaterra.com.br/

Um comentário:

  1. bom hem ...qual foi o curso que vc fez seria do charles laveso, neves, sei lá pode posta o nome dele ..e os desenhos cara são bons mesmo, eu moro em são paulo e aqui tem muita gente que da valor nesse tipo de arte,,,,show de bola.....

    ResponderExcluir